Ter, 12 de Dezembro de 2017
Banner
NewsLetter

    confira-videos

      icon-twitter icon-facebook icon-Gmais 

Obesidade em adolescentes ligada à maior risco de perda auditiva

hits: 2041
por Kendra Chihaya
Seg, 07 de Outubro de 2013 02:31
PDF Imprimir E-mail

Pesquisadores da Universidade de Colúmbia alertam para a necessidade de triagem auditiva em crianças com excesso de peso porque muitos podem não saber que estão com problemas auditivos


Obesity-in-teens-linked-to-hearing-lossNo Brasil, de acordo com a Fundação Oswaldo Cruz, a obesidade entre crianças e adolescentes aumentou 239% em 20 anos. Atualmente, cerca de 15% das crianças e 8% dos adolescentes sofrem de problemas de obesidade, e oito em cada dez adolescentes continuam obesos na fase adulta. A obesidade na adolescência não é mais apenas um problema estético, que incomoda por causa da “zoação” dos colegas. O excesso de peso pode provocar o surgimento de vários problemas de saúde como diabetes, problemas cardíacos e a má formação do esqueleto. Além destes riscos bem conhecidos à saúde, causado pelo excesso de peso, um novo estudo conduzido pelos pesquisadores do Centro Médico da Universidade de Columbia nos Estados Unidos afirma que adolescentes obesos possuem maior predisposição para perda auditiva. Os resultados do estudo sugerem que problemas do ouvido interno devem ser adicionados à lista de preocupações de saúde atribuídos à obesidade nesta fase da vida.

 

O autor do estudo Dr. Anil K. Lalwani, professor e vice-presidente de pesquisa do Departamento de Otorrinolaringologia / Cirurgia de Cabeça e Pescoço, Columbia University Medical Center, em Nova York, disse que a obesidade em adolescentes foi associada com perda auditiva neurossensorial em todas as frequências, ou a faixa de frequência que pode ser ouvido por humanos.

 

Overweight-DeafnessA perda auditiva neurossensorial é causada por danos às células ciliadas do ouvido interno, disse Lalwani. O estudo, publicado no The laringoscópio, encontrou as maiores taxas para a perda auditiva de baixa frequência - 15,16% dos adolescentes obesos em comparação com 7,89% dos adolescentes não obesos. Pessoas com perda auditiva de baixa frequência não podem ouvir sons em frequências de 2.000 hertz e inferior, pois eles ainda podem ouvir sons em frequências mais altas - gama de audição normal é de 20 hertz a 20.000 hertz. Muitas vezes, eles ainda podem entender a fala humana bem, mas podem ter dificuldades em ouvir em grupos ou em locais ruidosos, afirmou Lalwani.

 

"Este é o primeiro trabalho a mostrar que a obesidade está associada com perda auditiva em adolescentes", disse Lalwani, que complementou: "Além disso, a perda de audição deve ser adicionado à lista crescente de consequências negativas para a saúde da obesidade que afetam as crianças e adultos, aumentando o impulso para reduzir a obesidade entre pessoas de todas as idades."

 

 

Sobre o Estudo

O estudo analisou dados de cerca de 1.500 adolescentes do National Health and Nutrition Examination Survey – uma amostra grande, nacionalmente representativa, de adolescentes entre as idades de 12 e 19, que foram recolhidos entre 2005-2006 pelo National Center for Health Statistics of the Centers for Disease Control and Prevention. Os participantes foram entrevistados em casa, levando em consideração a história médica familiar, as condições médicas atuais, o uso de medicamentos, os fumantes domésticos, fatores socioeconômicos e demográficos e história de exposição ao ruído.

 

Dr. Lalwani e seus colegas afirmam que a obesidade pode, direta ou indiretamente, levar à perda de audição. Embora pesquisas adicionais sejam necessárias para determinar os mecanismos envolvidos, eles acreditam que a inflamação induzida pela obesidade pode contribuir para a perda de audição. Níveis plasmáticos da proteína anti-inflamatória, adiponectin, que é secretada pelo tecido adiposo, foram encontrados em crianças obesas, em níveis muito baixos. Em adultos obesos, essa proteína, tem sido associada com perda auditiva de alta frequência (que afeta a capacidade da pessoa de compreender a fala). A obesidade também pode contribuir indiretamente, a perda de audição, como resultado das suas comorbidades, incluindo diabetes tipo 2, doença cardiovascular, e níveis elevados de colesterol os quais têm sido reportados com causa de perda de auditiva periférica (referente ao externo, médio e ouvido interno).

 

"Estes resultados têm diversas implicações importantes de saúde pública", disse o Dr. Lalwani, que também é um otorrinolaringologista no NewYork-Presbyterian Hospital / Columbia University Medical Center. "Porque a pesquisa anterior revelou que 80 por cento dos adolescentes com perda auditiva não estavam cientes de ter dificuldade de audição, os adolescentes com obesidade deve receber triagem auditiva regular, de modo que eles possam ser tratados de forma adequada para evitar problemas cognitivos e comportamentais."

 

 

Referência: Lalwani AK , Katz K , Liu YH , Kim S , M Weitzman . Obesity is associated with sensorineural hearing loss in adolescents. Laringoscópio. junho 2013 11. doi: 10.1002/lary.24244


Fonte: Columbia University Medical Center.

 


Leia Mais:

Cinco importantes razões para você fazer triagem auditiva  

Um entre cada seis adolescentes tem tendência a perda auditiva precoce

Hábitos de risco para a saúde que contribuem com a perda auditiva

Segundo a OMS 360 milhões de pessoas no mundo sofrem de perda auditiva incapacitante Fones de ouvido são tão potencialmente perigosos quanto ruído de motores a jato