Ter, 12 de Dezembro de 2017
Banner
NewsLetter

    confira-videos

      icon-twitter icon-facebook icon-Gmais 

Remédio para epilepsia surge como nova promessa na prevenção do zumbido

hits: 5148
por Kendra Chihaya
Seg, 10 de Junho de 2013 22:41
PDF Imprimir E-mail

Estudo conduzido pela Universidade de Pittsburgh revela que o remédio para epilepsia reduz a hiperatividade das células ciliadas do ouvido interno após exposição a altos ruídos, impedindo o aparecimento do zumbido

 

dor-de-cabeca-1348509379911 615x300Segundo a Organização Mundial de Saúde - OMS cerca de 278 milhões de pessoas no mundo que sofrem de zumbido que se apresenta como sons fantasmas, rugidos, assobios e que geralmente são causados pela exposição a barulhos, sons e ruídos acima de 100dB. No Brasil estima-se que 28 milhões de pessoas sofrem com o problema.

 


Um estudo conduzido pela Escola de Medicina da Universidade de Pittsburgh nos EUA e publicado na Proceedings of the National Academy of Sciencies em maio deste ano revela pela primeira vez as condições crônicas que o zumbido ocorre e utiliza o retigabine (remédio para epilepsia) como prevenção do problema.

 


De acordo com Thanos Tzounopoulu – PhD, Professor Associado e Membro do Grupo de Pesquisa Auditiva do Departamento de Otorrinolaringologia da Escola de Medicina da Universidade Pittsburgh – ainda não foi descoberta uma cura para o zumbido e as terapias atuais não fornecem alívio para muitos pacientes. Esperamos que, ao identificar a causa subjacente do zumbido, possamos desenvolver intervenções eficazes, como o desenvolvimento de medicamentos que bloqueiem o zumbido em seres humanos", disse Dr. Tzounopoulu.


 Zumbido-no-ouvido.gif2



Sobre a Pesquisa:

A equipe se concentrou em uma área do cérebro que é o lar do nosso centro auditivo, chamado de Núcleo Coclear Dorsal (NCD), parte do cérebro que transporta os sinais das células nervosas do ouvido para outras partes do cérebro que decodificam e dão sentido aos sons. Em pesquisa anterior, conduzida pela mesma equipe, eles sabiam que o zumbido está associado à hiperatividade de células NCD – no qual se disparam impulsos, mesmo quando não existe “som real” perceptível, visto que o ruído em excesso danificam canais específicos de potássio, que ajudam a regular a atividade elétrica das células nervosas, ou seja, com esta “avaria” os neurônios não conseguem retornar a um estado de repouso e equilíbrio.

 


Para os novos experimentos, eles tomaram um olhar mais atento sobre as propriedades biofísicas destes pequenos canais, chamados KCNQ canais, através dos quais os íons de potássio viajam de dentro para fora das células.

 


"Nós descobrimos que os ratos com zumbido têm células NCD hiperativo por causa de uma redução na atividade dos canais de potássio KCNQ", disse Dr. Tzounopoulos. "Esses canais KCNQ atuam como eficazes" freios "que reduzem a excitabilidade ou atividade das células neurossensoriais."

 


medicatiponA pesquisa então expôs ratos sedados, a um som de 116 decibéis, sobre o volume de uma sirene, durante 45 minutos, duas vezes por semana. O que se descobriu em trabalhos anteriores, é que esta situação levou o desenvolvimento de zumbido em 50 por cento dos ratinhos expostos. Dr. Tzounopoulos e a sua equipe, resolveram então testar um fármaco aprovado pela FDA para epilepsia chamado “retigabina”, o que aumenta especificamente a atividade dos canais KCNQ, e que poderia evitar o desenvolvimento de zumbido. Na metade dos ratos, trinta minutos após a exposição ao ruído foi dado injeções de retigabine.

 



Sete dias após o experimento, para determinar se os ratos tinham ou não desenvolvido zumbido, realizaram experimentos de sobressalto, no qual um tom contínuo de 70 dB é jogado por um período, depois para brevemente e, em seguida, retomado antes de ser interrompido com um pulso muito alto. Ratos com audição normal perceberam a diferença de sons e estão cientes de que algo tinha mudado, eles ficaram mais assustados com o pulso forte do que os ratos com zumbido, que ao ouvir o ruído fantasma que mascara o momento de silêncio entre os sons de fundo não se assustaram.



Os resultados mostraram que todos os ratos que foram tratados com o medicamento para epilepsia “retigabina”, após a exposição ao ruído não desenvolveram zumbido.

 


"Esta é uma descoberta importante que liga as propriedades biofísicas de um canal de potássio com a percepção de um som fantasma", disse o Dr. Tzounopoulos. "Zumbido é uma canalopatia, e estes canais KCNQ representam um novo alvo para o desenvolvimento de medicamentos que bloqueiam a indução do zumbido em seres humanos."

 

De acordo com o Dr. Tzounopoulos, a família KCNQ é composta por cinco subunidades diferentes, quatro das quais são sensíveis a retigabina. Ele e os seus colaboradores têm como objetivo desenvolver uma droga que seja específica para as duas subunidades KCNQ envolvidos no zumbido, para minimizar o potencial de efeitos colaterais.

 

"Essa medicação pode ser uma estratégia preventiva muito útil para os soldados e outras pessoas que trabalham em situações em que a exposição ao ruído muito alto é inevitável", disse o Dr. Tzounopoulos. "Também pode ser útil para outras condições de percepções fantasmas, tais como dor em um membro que foi amputado.”, afirma o pesquisador.

 

Referência: J. W. Middleton, T. Kiritani, C. Pedersen, J. G. Turner, G. M. G. Shepherd, T. Tzounopoulos. Mice with behavioral evidence of tinnitus exhibit dorsal cochlear nucleus hyperactivity because of decreased GABAergic inhibition. Proceedings of the National Academy of Sciences, 2011; 108 (18): 7601 DOI:10.1073/pnas.1100223108

 

 

Fonte: University of Pittsburgh Schools of the Health Sciences